Arquivos da categoria: Manutenção

Manutenção Corretiva de Bombas Centrífugas

A Manutenção Corretiva é aquela que se corrigem os defeitos e falhas já ocorridos, procurando, sempre, evitar que os mesmos se repitam, podendo ser realizada em caráter de emergência ou não.

Os objetivos deste tipo de manutenção são:
- correção de um defeito que está se apresentando no
equipamento em operação;
- aumentar o tempo disponível do equipamento;
- minimizar os serviços de emergência;
- impedir a extensão dos prejuízos;
- aumentar a confiabilidade do equipamento e da linha de produção;
- correção do defeito que levou o equipamento ao colapso.

A manutenção corretiva á realizada após definir a necessidade da revisão de uma bomba, através de critérios de inspeção que justifique uma parada, sempre que houver:
- alterações das características hidráulicas (baixo rendimento), prejudicando o sistema de bombeamento;
- altas temperaturas nos mancais;
- ruídos excessivos;
- corrente do motor elevada;
- vibrações excessivas;
- necessidade de manutenção preventiva.

Sugerimos que os equipamentos possuam registro individual, onde serão anotados todos os dados e ocorrências com os mesmos, e mantidos em arquivos.

Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAR1sAK/bombas-centrifugas-manutencao-operacao
Fotos fonte: Google

Interseal 10 Anos!

Em 2013 a Interseal comemora seus 10 anos! Teremos muitas novidades, inclusive um novo site! Clique AQUI e confira!

Manutenção Preventiva de Bombas Centrífugas

A Manutenção Preventiva é aquela que concentra todo o esforço para evitar que um equipamento sofra uma parada imprevista, que poderia acarretar sérios transtornos à produção.

Os sbjetivos deste tipo de manutenção são:
- estabelecimento da freqüência ideal de revisão de equipamentos;
- determinar a troca de algum componente específico, quando
necessário;
- aumentar o tempo de disponibilidade dos equipamentos;
- minimizar os serviços de urgência ou não planejados;
- impedir a extensão dos prejuízos;
- aumentar a confiabilidade de um equipamento ou linha de produção.

A manutenção preventiva é de vital importância para a empresa, contudo devemos levar em consideração certos aspectos na sua implantação, como:
- analisar a importância do equipamento na produção, pois muitas vezes impossibilita a parada para manutenção;
- providenciar a disponibilidade de peças sobressalentes;
- estabelecer um controle sistemático de manutenção. Isto facilita a
execução, cresce a eficiência e obtêm-se dados como: custo, eficiência
individual, etc;
- montar uma equipe especializada para o cumprimento dessas tarefas

Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAR1sAK/bombas-centrifugas-manutencao-operacao
Fotos fonte: Google

Manutenção Preditiva de Bombas Centrífugas

A manutenção preditiva é aquela que controla o estado de funcionamento das máquinas
em operação, através de instrumentos de medição, para prever falhas ou
detectar alterações nas condições físicas que requeiram a manutenção.

Os objetivos deste tipo de manutenção são:
- determinar, quando for necessário, um serviço de manutenção
em algum componente específico da máquina;
- realizar inspeções internas, eliminando desmontagens
desnecessárias;
- aumentar o tempo disponível dos equipamentos;
- minimizar os serviços de emergência ou não planejados;
- impedir a extensão dos prejuízos;
- aumentar a confiabilidade de um equipamento ou de uma linha
de produção;
- determinar, com antecedência em relação a uma parada
programada, quais os equipamentos que requeiram revisão.

A manutenção preditiva é feita através da medição de vibração
com aparelhos portáteis, podendo identificar defeitos como:
- desbalanceamento do rotor;
- desalinhamento de acoplamento ou mancal;
- empenamento do eixo;
- rolamentos danificados;
- peças frouxas.

Sua implantação requer investimentos com equipamentos e no treinamento para qualificação de pessoal de manutenção.

Os pontos de verificação de vibração e ruído são:

Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAR1sAK/bombas-centrifugas-manutencao-operacao
Fotos fonte: Google

Como funciona um rotor

Dentro da bomba possuem um ou mais rotores, que é um componente giratório dotado de pás que gira dentro do corpo da bomba, movimentando o fluido e transferindo a energia para este. A energia é em grande parte cedida sob a forma de energia cinética, que pode ser convertida em energia de pressão.

O fluido entra na bomba por um bocal de sucção. Neste bocal a pressão manométrica pode ser superior ou inferior à atmosférica ou pressão negativa. Do bocal de sucção o fluido é encaminhado a um ou mais rotores que cedem energia ao fluido, seguindo-se um dispositivo de conversão de energia cinética em energia potencial de pressão.

O fluido sai da bomba pelo bocal de recalque e a energia cedida ao fluido se apresenta sob a forma de diferença de pressão entre a sucção e o recalque da bomba. Esta energia específica é conhecida como altura manométrica total (Hman). Em função desta transferência de energia é que podemos elevar, pressurizar ou transferir fluidos.