Arquivos da categoria: Uncategorized

DICA: Bombas para caixa d’água

Quando se fala em bomba d’água normalmente associamos com bomba para poço, porém há muitas outras situações em que são necessárias estas bombas, como por exemplo para subir a água para caixas d’água que são muito altas ou mesmo em regiões que a água da rua tenha uma pressão muito baixa que não seja suficiente para levar a água até a caixa d’água.

As bombas d’água em linhas gerais servem para aumentar a pressão da água dentro da tubulação, isso possibilita transportar água para longas distâncias ou também para ajudar a água a vencer a força da gravidade. O tipo de bomba mais indicada é a bomba centrífuga.
Para que sua bomba para caixa d´água funcione perfeitamente sem sofrer um grande desgaste, o que geraria altos custos com manutenção é importante que a potência da bomba d’água esteja adequada ao projeto, neste caso dois fatores são muito importantes para determinar qual a potencia indicada para sua bomba para caixa d’água, que são:

* Altura da caixa d’água (quanto mais alta for a caixa maior precisa ser a potência da bomba)
* Bitola da tubulação (quanto mais largo o tubo maior precisa ser a potência da bomba)

Para determinar de forma exata qual a potencia mais indicada o melhor é pedir ajuda para um técnico, ele terá condição de avaliar o local e determinar a bomba para caixa d’água mais indicada para você, lembre-se que comprar uma bomba menos potente do que precisa pode representar um certo prejuízo ou até mesmo mau funcionamento da bomba.

Fonte: http://bombadeagua.me/dicas-para-comprar-bomba-para-caixa-dagua/
Imagens: Google

Semana da Preservação da Camada de Ozônio

Dia 16 de setembro foi o dia da Preservação da Camada de Ozônio e a Interseal traz uma semana temática repleta de informações!

Mas você sabe o que é a camada de ozônio?

Em volta da Terra há uma frágil camada de um gás chamado ozônio (O3), que protege animais, plantas e seres humanos dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol. Na superfície terrestre, o ozônio contribui para agravar a poluição do ar das cidades e a chuva ácida. Mas, nas alturas da estratosfera (entre 25 e 30 km acima da superfície), é um filtro a favor da vida. Sem ele, os raios ultravioleta poderiam aniquilar todas as formas de vida no planeta.

O que está acontecendo com a camada de ozônio?

Há evidências científicas de que substâncias fabricadas pelo homem estão destruindo a camada de ozônio. Em 1977, cientistas britânicos detectaram pela primeira vez a existência de um buraco na camada de ozônio sobre a Antártida. Desde então, têm se acumulado registros de que a camada está se tornando mais fina em várias partes do mundo, especialmente nas regiões próximas do Pólo Sul e, recentemente, do Pólo Norte.

Diversas substâncias químicas acabam destruindo o ozônio quando reagem com ele. Tais substâncias contribuem também para o aquecimento do planeta, conhecido como efeito estufa. A lista negra dos produtos danosos à camada de ozônio inclui os óxidos nítricos e nitrosos expelidos pelos exaustores dos veículos e o CO2 produzido pela queima de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. Mas, em termos de efeitos destrutivos sobre a camada de ozônio, nada se compara ao grupo de gases chamado clorofluorcarbonos, os CFCs.

Fonte: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/camada_ozonio/

Curiosidades: Como é feito o leite condensado?

Como se condensa o Leite Condensado?

Apesar do nome, o leite condensado não passa por condensação, mas por evaporação. Ele tem esse nome para ninguém confundi-lo com o leite evaporado, que é a sua versão sem açúcar. O primeiro registro de um método de concentração do leite é de 1827, na França. Mas só virou processo industrial em 1853 com o empresário americano Gail Borden Jr. Ele queria diminuir o volume e aumentar a vida útil do leite, que muitas vezes estragava no caminho da fazenda até as casas na cidade (a pasteurização só seria inventada na década seguinte, e a história dos refrigeradores ainda estava em sua infância). Mas o leite condensado só se popularizou com a Guerra Civil Americana (1861-1865), quando foi adotado como ração de soldados. As latinhas de 395 gramas eram fáceis de transportar e estocar. Além disso, elas continham 1.300 calorias, 80 gramas de proteínas e gordura e mais de 200 gramas de carboidrato, ótima fonte de energia.
Depois foram para os mercados, e não demorariam para chegar ao Brasil. Um anúncio no Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Corte e da Província do Rio de Janeiro mostra que o produto já era vendido no país em 1871.

Secando o leite:
1. O leite é centrifugado para remover as impurezas e depois pasteurizado a 75º C por 20 segundos.
2. Ele recebe açúcar, que ajuda a conservar.
3. Vai a um evaporador a vácuo, onde fica a temperaturas de 50º C a 70º C. Isso retira 60% da água. Ele não é fervido para não alterar a cor, o sabor e as características nutricionais.
4. Depois de esfriar, recebe lactose em pó.

Fonte: http://www.receitastirol.com.br/curiosidades/3-como-se-condensa-o-leite-condensado-.html

Dicas para prolongar a vida útil dos Rolamentos

*Respeitar os intervalos de lubrificação;
*Não engraxar excessivamente os rolamentos e limpá-los com gasolina antes de colar a graxa nova (salvo se houver evacuador automático de graxa);
*Utilizar as graxas recomendadas pelo fabricante em função do serviço e da temperatura;
*Para os mancais lubrificados a óleo, verificar os anéis de retenção e utilizar o óleo recomendado;
*Observar a temperatura dos mancais em operação;
*Cuidar para que a temperatura ambiente permaneça dentro dos limites normais;
*Se o motor precisa funcionar num ambiente anormal, assinalar este fato ao fabricante no momento do pedido;
*Durante a limpeza, evitar depósitos de poeira nas caixas de rolamentos.

Fonte:http://www.dee.ufrn.br/~joao/manut/10%20-%20Cap%EDtulo%208.pdf

Como funciona um capacitor?


Os capacitores são componentes que, embora não conduzam corrente elétrica entre seus terminais, são capazes de armazenar certa corrente, que será “descarregada”, assim que não houver resistência entre seus terminais.
É formado por 2 placas condutoras, separadas por um material isolante chamado Dielétrico. Ligados a estas placas condutoras estão os terminais para conexão deste com outros componentes de um circuito elétrico.
A Capacitância (C) é a capacidade de acumulação de cargas elétricas no capacitor, quando aplicamos em seus terminais determinada tensão. Sua capacitância é determinada pelas dimensões das placas e pela distância de uma em relação à outra, ou seja, é diretamente proporcional à área e inversamente proporcional à espessura do Dielétrico.
A quantidade de cargas que um capacitor pode armazenar depende da tensão e de sua capacitância entre seus terminais.
Quando uma corrente Contínua é aplicada a um capacitor, a tensão leva um certo tempo para atingir o valor máximo. Portanto, no capacitor, a corrente está adiantada em relação à tensão. O tempo necessário para que o capacitor se carregue totalmente depende das resistências do circuito.
Quando uma Tensão Alternada é aplicada a um capacitor, seu comportamento é a conseqüência direta do que ele manifesta no caso de uma Tensão Contínua.
Com as Tensões Alternadas, produzindo o fenômeno de sucessivas cargas e descargas, verifica-se uma circulação de corrente, embora esta não flua diretamente pelo Dielétrico.
Assim, chega-se a uma das principais aplicações dos capacitores: a de separar a Corrente Alternada da Corrente Contínua, quando estas se apresentam simultaneamente.
Em geral, o capacitor comporta-se como um Circuito Aberto em
Corrente Contínua e como uma Resistência Elétrica em Corrente
Alternada.

Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA7yQAB/capacitor

Você sabia? Selos Mecânicos TS-P

O tema do Você Sabia? da semana foi motivado pela dúvida de um cliente muito estimado na Interseal.

Pensando nisso, a gente propõe que nossos clientes nos mandem suas dúvidas para que possamos responder e tornar nossa comunicação mais próxima e eficiente.

Deixe nos comentários do blog suas dúvidas, idéias e sugestões para nós e ajude-nos a tornar o Blog da Interseal uma referência para nossos clientes. Afinal, o nosso objetivo é levar a informação adequada para todos os envolvidos e que pessoas que tenham interesse direto no nosso segmento.

Turbina produz água limpa e energia eólica ao mesmo tempo

A água potável é um bem que escasseia com o passar dos anos. As secas prolongadas fazem pensar em novas estratégias para manter o abastecimento de água potável nas torneiras. Este recurso não é infinito e o crescimento da população mundial aliado à poluição tem diminuido consideravelmente os recursos hídricos.

Existem novos equipamentos que permitem não só otimizar o consumo de água como retirar a água do ar e tornar a mesma potável. É o caso da turbina WMS1000 que produz de 800 a 1.500 litros de água potável por dia, nos locais mais áridos do planeta.


Este equipamento desenvolvido por Marc Parent, fundador da empresa EoleWater, tem sido testado em vários cenários áridos, inicialmente foi instalado no ar seco do deserto de Abu Dhabi, em outubro de 2011. Desde então, a produção diária de água, por unidade eólica, atinge cerca de 800 litros. Em climas menos áridos a produção pode atingir de 1.200 a 1.500 litros de água potável por dia. Estas turbinas conseguem recolher água do ar graças a um condensador de umidade especial que está alojado dentro do dispositivo.

A tecnologia promete resolver dois problemas preocupantes em uma tacada só: a escassez de água e a criação de novas formas de coleta de energia limpa a partir do vento.

Segundo a Eole, já consegue coletar cerca de 16 galões de água por hora. Ela funciona como uma turbina comum, com a hélice girando para gerar energia. Mas, ao mesmo tempo, o ar é sugado pelo “nariz” da máquina e enviado para um compressor capaz de extrair umidade do ar. As gotículas de água que ficam presas na parede do compressor caem em um coletor que vai, aos poucos, juntando todo o líquido e o envia para um filtro. Então é só beber a água fresquinha.

Apesar de ser uma esperança para comunidades que sofrem com a falta de água, o custo da tecnologia é bastante elevado: 790 mil dólares por peça.

Atualmente, a turbina gera 30 quilowatts de eletricidade, que é usado para fornecer a água para os tanques de armazenamento de energia e do sistema de purificação. De acordo com o relatório de notícias de recarga, os resultados estão em torno de 50 % de água disponível está sendo extraída a partir do protótipo. O sistema requer vento, a velocidades de pelo menos 15 milhas por hora para produzir água.

 

FONTES:
http://www.smartplanet.com/blog/intelligent-energy/a-turbine-that-makes-water-from-the-desert-air/14701?tag=header;header-sec
http://www.meteopt.com/forum/ciencia-geral-tecnologia-energia/turbina-eolica-consegue-produzir-agua-no-deserto-6468.html
http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI304177-17770,00-TURBINA+PRODUZ+AGUA+LIMPA+E+ENERGIA+EOLICA+AO+MESMO+TEMPO.html